Absolvição difícil

Quando a História for contada, não será confortável a imagem da imprensa brasileira nas páginas que tratarem do assunto. Em que pese em alguns momentos específicos de nossa trajetória o papel relevante que os ditos meios de comunicação desempenharam, essa relevância se tem reduzido. Responde por ela a dubiedade, quando não o compromisso deliberado, característica na abordagem da política nacional. Negando-se a informar com isenção (imparcialidade, nunca, pois disso só são capazes - ainda bem! - as máquinas), os ditos analistas não conseguem pintar nas cores reais a realidade que dizem descrever ou comentar. Torna-se transparente para quem acompanha o noticiário, o esforço dos profissionais para esconder os interesses que os movem. Ora, porque lhes tem a incomodar os calcanhares o medo de perder o emprego; ora pela razão simples e simplória de que a rigor não discordam dos que criticam, mas não ficaria bem na foto elogia-los abertamente. O politicamente correto. Correto para quem? Daí a frequência, que podemos esperar crescente, de bate-boca entre os integrantes da mesma equipe de comentaristas. Pretensos defensores da democracia, no máximo deixam-se intimidar na crítica de medidas que impõem novos e sucessivos sacrifícios aos trabalhadores. Empregados dos meios de comunicação repetem velho lema da RCA Victor, a voz do dono. E saem a alardear sua independência profissional. Outros, apostando na desmemória e na absoluta parvoíce do telespectador ou leitor, timidamente fingem rejeição a decisões oficiais, sempre louvando as medidas econômicas e reivindicando maior vigor no ataque aos direitos dos mais fracos. A história, espero, não os absolverá. A não ser que escrita por quem nela não acredita, como Fukuyama.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.