A União tão necessária

Nem todo alfabetizado consegue entender o sentido das palavras. Mais difícil, ainda, quando a leitura e os meios que a propiciam são simplesmente desprezados. Os resultados de sucessivas avaliações internacionais ( o PISA, por exemplo) estimam periodicamente a capacidade de interpretação, sem a qual a leitura praticamente perde o sentido.

Quando o indivíduo tem sobre seus ombros responsabilidades constitucionalmente estabelecidas, dele se há de exigir maior grau de compreensão e entendimento do texto lido. Já não é apenas sua possibilidade de atingir objetivos pessoais, porque nesse caso estarão sempre envolvidas terceiras pessoas, desde o munícipe até todos os habitantes do País.

União, Estados, Distrito Federal e Municípios constituem, na República Federativa do Brasil, a organização política e administrativa. É o que se lê, sem muitas vezes compreender, no artigo 18 da Constituição Federal, também chamada cidadã. O artigo seguinte trata das vedações a que estão submetidos os poderes de que se investem os órgãos correspondentes. Daí resulta estarem obrigadas as autoridades, em qualquer dos órgãos públicos a que se integrem, seja qual for o poder, ao exercício do múnus de que estão investidos - por voto popular ou não - em estrita obediência ao mandamento constitucional.

Não me parece à toa a designação de União ao ente mais abrangente da estrutura da República. Tanto quanto ela nos diz de sua posição relativa, se as demais instâncias lhe são comparadas, remete à compreensão de que existe sobretudo para UNIR. Do que resulta o compromisso de todos, Estados, Distrito Federal e Municípios, à frente a própria União, na busca de realizar os objetivos mencionados no artigo 3° do mesmo diploma legal, a Constituição Federal de 1988. Se, porém, a má leitura e a interpretação enviesada se impõem, não está assegurada a república, nem pode ser exigida dos órgãos de abrangência mais restrita o respeito negado pelo mais abrangente.

O conflito já estabelecido entre a União e os Estados, portanto, só pode aproveitar aos insanos e à sua ganância pelo poder. O clima de beligerância em que temos vivido os últimos meses não aproveita à sociedade, muito menos à democracia.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as