A Razão da primavera

É verdade: sou um romântico. E não pretendo abrir mão disso que considero uma qualidade humana.

Escrevo em resposta àqueles que pensam estar desqualificando meu discurso me chamando de romântico.

O fazem tendo como medida a velha ideia do domínio absoluto da razão, esta senhora dizimadora de sonhos e beleza humana.

Cresci ouvindo essa conversa de que devemos nos instrumentalizar da racionalidade para acertar as coisas; que está na razão o recurso da verdade e o aproveitamento da experiência. E que tudo que fugir ao raciocínio lógico é temerário e de consequência duvidosa.

Aí fui crescendo e procurando dialogar com as várias razões que nos cercam. Na ciência, desfiz minhas crenças religiosas. Na filosofia, vi a força do ethos. Na religião descobri a positividade dos dogmas. E mesmo no senso comum extraí algum tipo de razão instrumental.

Quando achei que tinha descoberto uma forma de entender e mudar o mundo descobri que todas as razões, e até mesmo a mais soberba delas, foram e são as responsáveis pela construção do mundo que temos, desamparado de ternura e de romantismo.

A razão não só profanou mentes e convicções, como destruiu possiblidades de diálogo com valores humanos imprescindíveis para edificação de uma humanidade desenvolvida e plena.

Foi com a razão que se fizeram duas guerras mundiais e no seu berço se viu a escravidão resistir. Foi na razão que a bomba atômica caiu sobre Hiroshima e Nagasaki. Foi em nome da razão que a opressão do capital prosperou, arrancando a carne de idosos e crianças.

Não. Não é essa a razão que um dia iluminou pensadores e chegou a nutrir a esperança de um mundo mais fraterno.

Sigo romântico, sim, com muito orgulho e vontade de mudança, mas não me venha dizer que a razão que você defende nos fez melhor ou socializou bens e qualidade de vida.

Se houver uma razão de vida e esperança, que ela seja a da primavera.


Lúcio Carril

Sociólogo

3 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Paleta Poética*

poesia é imagem emoldurada pintada na tela da razão com as brilhantes cores da paleta da vida em nuances vivas de emoção pintura diáfana do que os olhos não veem registro relutante do tempo que não pa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.