A QUINTA-COLUNA

O termo surgiu na guerra civil espanhola (1936-1939), em referência aos trânsfugas que apoiavam o ditador Francisco Franco.

Traidores da luta e da pátria não são exclusividades de um país ou de uma sociedade. Eles se espalham por todos continentes e formam uma horda de canalhas malfeitores.

Aqui no Brasil, nesta pandemia, se tornou lugar-comum dizer que estamos em guerra contra um inimigo invisível, o novo coronavírus.

Menos preocupante é a invisibilidade do inimigo diante da ação nefasta dos seus apoiadores.

Chamamos de negacionistas e terraplanistas as hordas de apoiadores do vírus. São muitos, capitaneados por uma vil figura monstruosa. Formam uma quinta-coluna de traidores a servir de apoio às contaminações mortais do vírus. Como a coluna dos madrilenhos a apoiar o ditador espanhol, os trânsfugas brasileiros agem da forma mais terrível contra os interesses nacionais e contra a vida.

A quinta-coluna aqui é a base do genocídio de negros e pobres, as principais vítimas da pandemia. Rejeita a vacina por um lado e por outro apoia o desmonte da economia e da nossa incipiente democracia. Rastejam como vermes à procura de um corpo para destruir, seja esse corpo um ser humano, uma floresta ou todo um país.

Estamos numa guerra, sim. Nosso maior problema não é o inimigo invisível. É o inimigo interno, traidor, que cria todas as condições para a invasão externa.

Chegamos aos 225 mil mortos pela pandemia. Nossas baixas seriam menores se não fosse a ação deletéria de um presidente genocida e uma turba de quintas-colunas.

Demoraremos a derrotar o vírus, mesmo com todo esforço da ciência e de abnegados defensores da vida, se não derrotarmos o inimigo interno. A batalha será árdua, mas venceremos.


Lúcio Carril

Sociólogo

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Os diferentes mundos do escritor e do leitor

Odenildo Sena* É sempre temerário dar asas a conflitos de opinião depois da leitura de um romance, de um conto ou mesmo de uma crônica. De igual modo, não deixa de ser temerário, talvez mais temerário

A SAÍDA É SEGUIR E FAZER O CAMINHO

Com justa razão o jovem missionário belga Eduardo Hoornaert, 90, que vive no Brasil desde 1958, escreveu o livro O movimento de Jesus. Se Jesus tivesse fundado alguma igreja, ela não poderia ter outro