top of page

A pauta

Embora o STF tenha decidido a favor dos ocupantes originais, as terras indígenas continuam em pauta. Como esperado, algumas pessoas de boa fé e numerosos delinquentes que se apossaram de parte desses territórios mostram-se dispostos a resistir à decisão daquela corte de Justiça. É de lá que lhes vem expressivo percentual dos lucros resultantes da exploração de produtos do agronegócio. Como interessa a esses segmentos, única e exclusivamente voltados aos mais miseráveis objetivos, a acumulação de riqueza material. sequer colocam limites em sua reivindicação. Sejam justas ou não, porque a Justiça não é algo capaz de agradar seus apetites. É isso o que revela a disposição já manifesta desse segmento, ao esboçar a abertura de grave crise institucional. Não é outro o propósito, quando paira no ar a ideia de pressionar o Congresso a criar obstáculos à consumação da regularização das terras indígenas. Este, porém, é só um dos itens da pauta das próximas semanas. Outro, de igual envergadura e complexidade, é o avanço na apuração do terrorismo de 8 de janeiro e do golpismo tentado desde 7 de setembro de 2022. Aqui, entenda-se, esta data mencionada não como o ato inaugural do processo antidemocrático, mas um dos mais marcantes. Não tem faltado trabalho aos congressistas, ainda às voltas com os problemas fiscais, cuja torcida contrária a solução minimamente justa está mobilizada. E não perde a má criatividade, ao inventar pretextos com que pensa estancar os caminhos sociais e econômicos cuja escuridão começa a ser iluminada.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que se pode esperar

Ontem, o tempo foi curto e não deu sequer para o Presidente venezuelano Nicolás Maduro ser pichado como faz por merecer. O mundo, os jornalistas e governantes em especial, quase não tiveram olhos e bo

A eleição sem Biden

A renúncia à reeleição, apresentada ontem pelo Presidente norte-americano Joe Biden, a rigor, não surpreendeu ninguém. Pelo menos, dentre os que se têm informado sobre a política daquele país. Menos p

Quem abalará a bala?

Manaus é classificada em terceiro lugar, quanto se trata da violência. Está atrás apenas de Salvador e de Macapá, nesse trágico e vergonhoso índice. Não obstante, as autoridades alardeiam investimento

Comments


bottom of page