A PANDEMIA DA DESIGUALDADE SOCIAL


Num país de ricos e pobres e uma classe média em queda livre, uma pandemia tem alvo. Quem pode ficar em casa? certamente que não é o trabalhador ou a trabalhadora. A pergunta certa seria: quem pode não trabalhar? Ora, quem tem empregados para tocar sua empresa e tem uma reserva financeira para esperar a pandemia passar.

Numa sociedade de classes, o sacrifício é sempre de quem trabalha em troca de salário. Tirando os estamentos burocráticos, é a classe explorada que se lasca.

No Rio de Janeiro uma empregada doméstica morreu, porque sua patroa estando com o vírus não quis liberá-la do trabalho. A trabalhadora não ficou em sua casa porque não teria como sobreviver, não tinha poupança ou dinheiro no cofre (nem cofre tinha).

Quem pode fazer compras para um mês, dois meses, três meses inteiros?

O povo dos morros, bairros e favelas precisam ir todos os dias à feira ou à quitanda comprar o que dá naquele dia.

Quem pode não pegar ônibus, geralmente lotado, e ir de carro para o trabalho ou fazer compras? A resposta está no dia a dia.

O vírus sempre tem alvo, sem saber, mas a desigualdade social sabe bem proteger os seus.

Lúcio Carril

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Paleta Poética*

poesia é imagem emoldurada pintada na tela da razão com as brilhantes cores da paleta da vida em nuances vivas de emoção pintura diáfana do que os olhos não veem registro relutante do tempo que não pa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.