A panaceia neoliberal

Passamos, nestes infelizes meses de 2020, período em que alimentar-se passou a ser mais difícil, salvo para os consumidores de caviar, champanhe e bons vinhos. A alta dos preços chega a níveis superiores aos de 2003-2008, em meio à grave crise econômica. Os dados da Fundação Instituto de Pesquisa Econômica, FIPE, desenham cenário inquietante. Os números referentes à alimentação não encontram paralelo, insensíveis à repetição de decisões obedientes ao neoliberalismo praticado. Só em outubro, esse item da despesa das famílias subiu 2,51%. No acumulado de 12 meses (nov/2019 – out/2020), a alta chegou a 11,26%, índice maior que a inflação registrada, 3,72%. Se, antes, boa parte da inflação nacional podia ser atribuída a fatores importados, hoje já não é assim. As sucessivas safras recordes, motivadoras de pueril euforia ufanista, levaram ao aumento exagerado das exportações dos produtos do setor primário. Levantamento realizado na capital paulista mostra realidade assustadora, pelas alterações no preço do que os especialistas chamam commodities. O arroz subiu 63%; 96% o óleo de soja; sobre o feijão recaiu aumento de 46%. Não escapam a esse previsível e ameaçador perigo neoliberal os óleos de milho (30%) e girassol (28%). A proteína animal, que enche de entusiasmo infantil os exportadores, não foge da regra. Foi de 38% a majoração do preço da carne bovina. A suína registra 48%, o frango está 27% mais caro, sendo que, em tipos específicos de corte da carne bovina, o acém, a paleta, o músculo e o fígado o índice médio alcança 45%. Com o leite 57% mais caro e o açúcar impondo acréscimo de 13% nos pedidos das famílias, pode-se esperar grandes gastrônomos e laureados chefes de cuisine inventando e ensinando os pobres a fazerem sopa de pedras. Sempre temperadas com tomilho, alecrim, sálvia, alho poró, cogumelos, sal do mar Negro, molhos tailandeses, e quejandos. Para isso eles estão aptos. A receita repetidamente aplicada à economia corresponde aos remédios recomendados por leigos, mágicos e espertalhões de todo jaez para combater a covid-19.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Rubicão de cada um

Difíceis, muito difíceis – e tenebrosos, os dias que temos vivido. Digo da morte imposta a toda uma população, aqui como em outros lugares do Mundo. A rejeição da Ciência, a agressão aos direitos fund

Fora!

A floresta e Florestan

Nascido em 20 de julho, o sociólogo Florestan Fernandes ensejou a oficialização da dada como o Dia Nacional do Sociólogo. Ele, que todo dia emprestou a riqueza de seu pensamento às melhores causas, f