A palavra como arma

As ditaduras sabem do poder de fogo das palavras. Escritas ou ditas, quando erguem argumentos, são capazes de queimar mais que um projétil de chumbo. Não eliminam a vida de ninguém, mas eternizam e fortalecem ideias e esperanças de muitos. Disso sabia Washington Novaes, jornalista nascido em São Paulo, morto na segunda-feira em Goiânia, onde morava. Mesmo não gostando de ser chamado ambientalista, é um dos profissionais a quem mais se deve a defesa do ambiente no Brasil. Tanto, que André Trigueiro, conhecido jornalista e ambientalista, diz ter sido por ele influenciado. Sempre é lembrada entrevista que Novaes deu ao programa Roda Viva, da TV-Cultura, quando indagado por Blairo Maggi. Perguntado se todos (os brancos) deveríamos viver como índios, Novaes respondeu: claro que não! Não teríamos competência para isso.

O jornalista passou pelos maiores jornais do País, ganhou o Prêmio Esso com uma série de artigos sobre a ECO-92, publicou os livros A quem pertence a informação (Editora Vozes); A Terra pede água (Sematec/BSB); A década do impasse (Estação Liberdade) e Xingu (Brasiliense). Washington Novaes também produziu documentários,em 1985 (Xingu, a Terra Mágica); 2007 (Xingu, a Terra Ameaçada). Em 1982, seu documentário Amazônia, Pátria da Água ganhou medalha de prata, no festival de cinema de Nova Iorque. Além dos que admiravam o trabalho meritório do jornalista morto, ficam órfãos quatro filhos que deram ao profissional digno e competente, por isso respeitado, sete netos.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Direito de expressão e charlatanismo

Para dizer o menos, foi inoportuna a nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército, a propósito de matéria publicada no semanário Época. Assinado pelo jornalista Luiz Fernando Vianna, o

Onde estão os amantes da vida?

Em meio à tragédia generalizada, Manaus ganha destaque nos media. Aos escândalos ligados à aquisição de equipamentos médicos necessários e medicamentos ineficazes, que governos estaduais e o federal t

Amazonas pós-pandemia

Veio, mais uma vez, da Ciência e dos que acreditam nela e a produzem, o melhor que poderia acontecer. A decisão unânime da Agência Nacional de Vigilância da Saúde- ANVISA em favor da aplicação emergen

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.