A ORDEM MUNDIAL CONTINUA DESIGUAL E OPRESSIVA, MAS GANHAMOS UMA BATALHA IMPORTANTE CONTRA O ATRASO

Política internacional é um tema difícil, dada à sua complexidade que envolve diplomacia, economia e interesses diversos. Para começar a compreender a questão é preciso entender como o mundo se organiza e qual sua ordem.

A vitória do democrata Joe Biden nos Estados Unidos não muda a ordem mundial. Isto é óbvio. Aquilo que chamamos de Divisão Internacional do Trabalho (DIT) continuará a mesma, com as economias dominantes oprimindo e explorando os chamados países emergentes. O sistema financeiro continuará dando as ordens e aumentando seu capital. Os EUA continuarão como a maior economia do mundo, fazendo guerra de dominação.

O que muda, então?

Ora, há muita diferença política entre Democratas e Conservadores no país do Tio Sam. Enquanto Democratas defendem maior intervenção do Estado na economia, Conservadores jogam com o deus-mercado. No que se refere a impostos, Democratas querem taxação maior para quem ganha mais, já seus adversários, um imposto único. Conservadores se opõem a um salário mínimo, defendendo que o mercado determine seu valor, ponto divergente, também, com os Democratas.

Na saúde, o partido de Biden defende a saúde universal, com serviços oferecidos pelo Estado. Já os Conservadores apontam o deus-mercado como proprietário do sistema.

Como estamos vendo nestes poucos exemplos, há grandes diferenças políticas e programáticas. A receita conservadora é a de um mercado voraz, com sua doutrina neoliberal. Sua derrota é a derrota de um modelo econômico no mundo, que gera exclusão social e mais miséria.

Não por acaso encontramos semelhanças entre Trump, Bolsonaro e toda horda neoliberal no mundo, que seguem os ditames do capital financeiro. Aqui no Brasil, no início da pandemia, o destemperado presidente disponibilizou 1,3 trilhão de reais para os bancos e anunciou 200 reais de auxílio emergencial ao povo. É assim a economia internacional do neoliberalismo.

Não podia concluir sem lembrar a diferença que há entre Democratas e Conservadores na política ambiental e no tamanho do orçamento militar. Estes dois pontos reverberam em todos países e têm forte impacto nas relações internacionais, além de colocar na pauta o futuro do planeta.

Há sim o que comemorar. A derrota de Trump fortalece nossa luta contra o massacre que Bolsonaro impõe contra o povo brasileiro.

Lúcio Carril

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Por que celebrar Daniel Coelho de Souza?

Parte III Daí que, pouco tempo depois, ao assumir a cátedra de Introdução à Ciência do Direito, que conquistara em memorável concurso público, Daniel Coelho de Souza, após recensear as insuficiências

Teremos um novo normal?

Há quase um ano ouço falar em um novo normal. Tenho muita limitação em entender como se pode ver possibilidade de coisa boa depois de tanta desgraça. Não vejo um mundo melhor pós-pandemia. Na verdade,

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.