A NOSSA RESISTÊNCIA


Nunca tive heróis. Só tive tempo de pensar na revolução. Quando era tempo de errar, resolvi sonhar; quando me cobraram trabalhar, militei; quando quiseram que eu parasse, já era tarde.

Não tive tempo de ter heróis, só utopias do possível fazer.

O tempo não me consumiu, pois não fiquei parado. Lutei, tripudiei, ofendi com a ofensiva daquele que ainda não conheceu a vitória. Perdi, perdi, perdi muito, mas ninguém pode falar das minhas derrotas. Elas não foram minhas, de herói solitário, foram derrotas do mundo - esta metáfora que se perde entre substantivos e coletivos.

A militância começou cedo. Com Gorki, conheci Mãe; com Zé Lins do Rego, fui capitão Vitorino; já com Prestes, conheci a vida; de Lamarca, o exemplo da resistência.

Sempre foram reais, mesmo que a ficção os quisesse heróis. Herói não carrega esperança.

Meus heróis nunca morreram de overdose, mas sei quem são os senhores do poder: não são meus amigos.

Os anos se passaram. Não tenho mais treze anos. Minhas utopias ficaram marcadas pela resistência e renovadas pelas frustrações, pelo amanhã tardio, imprevisível, doloroso, apenas.

Com o tempo aprendemos a resisjtir de várias formas, com várias armas, mas a notícia que nos chega é que o amor é inexorável.


Lúcio Carril

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Visitante contumaz desta nau envia-me paródia oportuna e interessante, com o pedido de postá-la. Refere-se à música Helena, Helena, de Constantino Silva e Antônio Almeida, gravada em 07/11/40, nos est

Minhas frustrações não me fizeram amargo, tampouco me colocaram em sofrimento com a vida. Gerou, sim, uma enorme angústia que serve de um equilíbrio freudiano, capaz de conter os impulsos do ID e frea