A morte do tempo

Perco-me

entre os ponteiros do

relógio

nestes tempos em que

o sol não faz

aurora

a lua se esconde

envergonhada e inservível

as estrelas repousadas

sobre os ombros de Atlas

descorado

Paralisa-me o

desencontro dos ponteiros

o som da caixa musical

em disparada

a Terra se faz plana

embora plena

a certeza da insana

e certa

caminhada

Para que relógios

ampulheta Cartier

cromos calendários

agendas

na caverna não há

dias

nem há noites

só cegueira

cegos não consomem

o tempo dos infelizes

nem veem

inferno iminente

onde esperanças alegrias

apenas somem...


Estive

noutro tempo na

caverna

o horizonte acabava

em Cotijuba

ilha que vista

da incômoda caserna

é tela branca

descolorida

falta de cor que

os olhos

não perturba

Quem sabe hoje

é um domingo

jamais como outrora

fora

em sábado-feira

cestas sem terço

em dia atarefado

quintas do inferno

no discurso

proclamado

naquela triste forma

ser guardado

É sonora

não há negar

a música da caixa

que na parede produz

o tempo renegado

a que me ajusto

sensível como gado

esperança alimentada

sem gosto e sem futuro

o dia de ter o pão

bem comungado.

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Folia pandêmica

Carnaval sem Momo mesmice imposta pior que tudo - sabe-se como à alegria mascarados são diferentes ao menos nas máscaras encobrindo rostos escondidas intenções mal dissecadas desérticas almas desalma

Cinzas

Não acabou nosso carnaval desta vez ele não veio fez-se cinzento o firmamento e tudo o mais o medo a angústia a dúvida mal escondidas máscaras sobrepostas rostos quase desprovidos desconhecidos sentim

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.