A morte de Inês

Repetem-se as tentativas de retirar de Manaus as vantagens fiscais que a 117ª experiência econômica praticada no Mundo em 1967 asseguravam. De novo os autoproclamados defensores da Economia amazonense terão que desviar os olhares dos livros caixa, razão e diário, para elaborar manifestos e documentos. Como sempre foi e, tudo indica, jamais deixará de ser. Não faltarão títulos para premiar, ornados de subserviência e parasitismo, os que retirarem os bodes postos por eles mesmos e seus prepostos, a infernizar e tornar malcheirosa a sala. O tratamento aos exportadores, em torno do qual agora desaba o chororô costumeiro, não demora ensejará o velho, falso e abjeto espetáculo dos cenhos cerrados, voz tonitruante e palavras vazias. E Inês é morta a cada nova manifestação da vontade dos governantes.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu

Justa reverência

Denominar o prédio em que se instalou a Faculdade de Artes da UFAM de Maestro Nivaldo Santiago era o mínimo que o velho professor merecia. Fez-se justiça a ele, cujos serviços profissionais engrandece

Zona Franca posta em questão

Promovida pelo grupo de pesquisas Ilhargas, do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais da UFAM, uma discussão sobre a zona franca de Manaus será realizada hoje. Reunindo interessados no tem