top of page

A grande imprensa, os bolsonarismos e o governo eleito

Marcelo Seráfico


A grande imprensa com sede no Brasil busca um ponto de equilíbrio retórico entre a condenação do "bolsonarismo político" e o elogio do "bolsonarismo econômico".

É desse ponto que desenhará o alvo na testa do governo Lula.

As baterias já estão a postos.

É crime de responsabilidade falar em industrialização, em planejamento estatal e em responsabilidade social.

Enquanto o novo governo não é empossado, a missão é minar teses e nomes, numa tentativa sistemática de pautar o Estado.

Os mesmos que dizem defender a democracia, quando o que está em causa é sua liberdade de se expressar, não tem nenhum pudor em buscar desqualificar tudo que não se encaixa em seus interesses mais imediatos. Afinal, democracia é o regime em que eles mandam.

Isso não é novidade. A crítica à grande imprensa foi uma bandeira das esquerdas. Ocorre que a extrema direita se apropriou dessa crítica, invertendo-a.

Se para a esquerda se tratava de minimizar o poder de grandes empresas de comunicação sobre a formação da opinião pública, a questão para a direita é acabar com algumas dessas empresas e dar vez a outras cujas teses estejam alinhadas a suas pretensões.

Defensivamente, as grandes e tradicionais empresas de comunicação nascidas em solo nacional, passaram da adesão aberta à crítica contida do "bolsonarismo político".

Mas todas elas mantiveram a fé inabalável no "bolsonarismo econômico", que é uma forma agravada de neoliberalismo.

A frente que elegeu Lula/Alckmin contém de socialistas a neoliberais. O objetivo que os unia era apenas um: derrotar o "bolsonarismo político". Isso foi feito.

E agora?

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Orlando homenageia Herbert Baldus

Entrevista Olá Orlando. É um prazer contar, novamente, com a sua participação na Revista do Livro da Scortecci. Do que trata o seu Livro? Homenagear o antropólogo teuto-brasileiro Herbert Baldus media

🦉🦉🦉Alis grave nil

Com a morte de Ziraldo (1932-2024) o Brasil perde o traço de quem pensava com as mãos e desenhava com a leveza mental e inventiva de um menino maluquinho. Os traços libertários e inconcessivos de Zira

Commentaires


bottom of page