A ETERNIDADE DO NOSSO AMOR

O relógio despertara às seis horas da manhã, mas a chuva forte insistia que eu permanecesse em seus braços, como se houvesse uma relação de harmonia entre os pingos d'água sobre o telhado e as batidas do seu coração. Eu sentia sua pele, seu cheiro, seu abraço, com as mãos deslizando entre meus cabelos. Um segundo despertar e a chuva continua. Já conseguia sentir nossos corpos se confundindo e minha respiração penetrar por entre seus seios até alcançar sua alma. Já não haveria mais como acordar e tudo se transformara em sonho de inverno amazônico.

Só meu respirar e os movimentos de amor do seu coração. Do seu espírito sentia o abraço, o cheiro bom do seu corpo.

Sua respiração mudara e pedia que eu ficasse para fazer do sonho um amor por todo seu corpo. Sob a chuva forte e com sua boca a procurar meus lábios, cada pingo era um tilintar de desejo a despertar minha paixão. Nos confundimos no mais profundo tesão e as horas não importavam mais. Tínhamos feito daquela manhã um momento de eternidade do nosso amor.


Lúcio Carril

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A FORÇA DA RETROTOPIA

José Alcimar de Oliveira* Estamos sob a mais pervertida e predatória agressão política: a política de destruição do débil Estado nacional por meio da política de desativação do debate político, de sub

Carta de um pai

Meu querido filho Álvaro, Escrevo-te esta carta de amor, mesmo sem saber qual é o teu novo endereço. Mas sei que ela chegará às tuas mãos e ao teu coração, porque a corrente que nos liga é muito forte