A DOUTRINA DE COMANDO E CONTROLE E OS VENDILHÕES DA PÁTRIA

Lúcio Carril*

Tudo começou com os portugueses. De lá pra cá muitas águas rolaram e hoje se chama Comando e Controle.

A invasão da Amazônia por Portugal se consolidou com a instalação de bases militares na região: Forte de São José da Barra do Rio Negro (Amazonas); Forte do Presépio (Pará); Forte Príncipe da Beira (Rondônia); Forte de São Joaquim do Rio Branco (Roraima). A ideia era de manter o controle através da ocupação, evitando a presença ameaçadora dos espanhóis, e garantir o saque das suas riquezas vegetais e minerais. E assim foi feito.

Passamos pelos ciclos das Drogas do Sertão e do extrativismo, resistindo ao processo de industrialização de outras regiões, já que isso era de interesse do capital internacional. Em 1955, no Primeiro Plano Quinquenal, durante o governo de Juscelino Kubitschek, se intensica o projeto de converter o extrativismo numa economia agrícola, com uma produção que atendesse as necessidades de consumo interno e a demanda de matérias-primas das indústrias.

Em 1970, durante o governo do ditador Emílio Garrastazu Médici, a Amazônia volta a ser foco nos Planos Nacionais de Desenvolvimento (PNDs), com a defesa da sua ocupação para ingresso do Brasil no bloco dos países ricos.

Sim. Essa história de entrar para o clube dos países desenvolvidos e ricos não é macaquice de Bolsonaro. Seus genitores militares já tinham esse desvario.

Concomitante à política de controle e desenvolvimento da região amazônica houve a entrada do grande capital e ações de infraestrutura na região: Usina Hidrelétrica de Tucuruí, Mineração Rio Norte, Albrás e Alunorte, Projeto de Ferro Carajás, Transamazônica. Isto só no Pará.

Ou seja, a Doutrina de Comando e Controle é uma velha conhecida da Amazônia. Seu rastro de insucesso e destruição está aí na poluição dos rios pela Alunorte e pelo aumento da garimpagem, que em 1960 era de 10 mil homens no Pará e em 1990 já alcançava 400 mil em toda região.

A criação do Conselho da Amazônia pelo governo Bolsonaro, sob a coordenação do seu vice, general Mourão, é uma velha política de entrega das riquezas da região ao grande capital. Comando e Controle na Amazônia só serviu à pilhagem. Primeiro pelo Reino de Portugal e hoje aoTio Sam, venerável dos entreguistas da quinta coluna.

* Lúcio Carril é sociólogo, pós graduado em Gestão e Políticas Públicas pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A CLASSE MÉDIA NÃO VAI AO PARAÍSO

Transito entre pessoas da minha classe e da classe média. Reconheço de longe a simplicidade de um trabalhador, que ao amanhecer, com mochila nas costas, caminha ao ponto do ônibus e fala com seu coleg

Paleta Poética*

poesia é imagem emoldurada pintada na tela da razão com as brilhantes cores da paleta da vida em nuances vivas de emoção pintura diáfana do que os olhos não veem registro relutante do tempo que não pa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.