A doença

Pandemia ou epidemia, a corrupção universaliza-se tanto quanto a desigualdade. Sempre parece maior a gravidade do fenômeno, quando está mais perto de nós. Com outra agravante, a que nem sempre os que dizem combatê-lo se dão conta de que as práticas condenadas resultam de nossa quase imperceptível leniência, se não de deliberada cumplicidade. Esta, manifestação presente nos conluios de gabinete, na mesma medida em que exercida nas cabines eleitorais. A promiscuidade entre o papel das instituições de Estado e os interesses momentâneos do governo, seja qual for, à época que for, tornou-se transparente neste duplamente trágico momento histórico por que passamos. A duplicidade decorre da ação malévola do novo coronavírus, concomitantemente à ação de agentes públicos aos quais cumpre bem desempenhar o papel de que são investidos. Às dificuldades iniciais no combate à pandemia, que derrubou dois Ministros da Saúde, seguiu-se frustrada tentativa de tornar maior ainda os males impostos pelo vírus. A morte chegou a ser festejada. A Ciência, porém, quando muitos se tornavam impacientes mostrou sua força e levou ao recuo e à derrota dos que a combateram. Não foi se não dos ambientes em que os pesquisadores, professores e cientistas trabalham que surgiram as diversas vacinas agora aplicadas na população, aqui e alhures. Eis, sem rodeios, o primeiro grande triunfo da Ciência sobre o obscurantismo e a negação. Outro vem da abertura da caverna onde se escondem malfeitos intoleráveis e por todos condenados, se vindos de outras cavernas. Tornou-se mais fácil vasculhar porões onde o dinheiro do contribuinte alimenta, matando fomes e sedes que se dizia inexistentes. Mais um ganho, pelo menos do ponto de vista dos cidadãos, para os quais as pessoas não se devem distinguir pelo traje profissional, mas pela dignidade revelada no exercício de funções para as quais todos contribuem. Onde entra o sol, tudo fica mais difícil de apodrecer. O apodrecimento, nem por se tornar universal, deve ser tolerado. A Lei acima de todos, o sol acima de tudo!

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Biblioteca Nacional homenageou a violência e reverenciou a barbárie, ao conceder a medalha da ordem do mérito do livro ao deputado condenado pelo STF Daniel da Silveira. Tanto quanto se sabe, e a co

Interessados em cinema, como produtores e diretores mais que espectadores, não terão muita dificuldade, se quiserem lançar filme de violência, mesmo se um bang-bang nos moldes tradicionais. Pelo menos

O qualificativo inscrito no título dá o tamanho da bossalidade que tomou conta do País, sem fazer economia. Tudo feito segundo o modelo de caixa em que se enrolam e embrulham os mais representativos a