A CIÊNCIA, E NÃO A IGNORÂNCIA, É A SAÍDA PARA A PANDEMIA


A ciência se constituiu como a verdade do mundo moderno. Ela foi vítima da intolerância religiosa e do poder político durante séculos, mas se validou como referência de conhecimento da natureza a partir do exame racional e epistêmico das coisas.

A análise do fenômeno, a construção de hipóteses e a síntese epistemológica se tornaram parte constitutiva do método científico. É assim que é validada sua verdade. Não é possível atalhar o método para satisfazer interesses políticos. Isto seria a destruição da ciência e de todo pensamento que orientou as grandes revoluções científicas e tecnológicas. Este mundo não teria superado tantos limites sem estas conquistas.

Mas hoje estamos enfrentando uma tentativa de retorno ao medievalismo, com a restauração de uma religiosidade nociva, extemporânea e anacrônica, que busca negar as conquistas da humanidade. Não se trata de uma nova fé, mas de um jogo político que aposta na negação do conhecimento como forma de dominação; é um jogo sorrateiro e perigoso.

Esta prática vem ganhando adeptos no Brasil após a posse de um presidente que despreza a ciência e toda racionalidade moderna.

Para nosso azar, estamos diante de uma pandemia e tendo que enfrentar uma horda de negacionista que insiste em desprezar o conhecimento científico como única forma de salvar vidas. Trata-se de uma situação criada desde o início do governo Bolsonaro e agora agravada pela crise.

A ciência e os cientistas estão tendo que enfrentar uma nova inquisição. Desta vez capitaneada pela estupidez e pela extrema ignorância e não mais pela instituição igreja. Mesmo o evangelismo neopentecostal não se caracteriza como instituição, mas como parte desse apedeutismo seletivo.

É preciso acreditar na ciência como solução para a crise de saúde instaurada pela pandemia. É neste conhecimento que está a saída e não na vaidade doentia de uma gangue que só pensa no poder.

Lúcio Carril

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A CLASSE MÉDIA NÃO VAI AO PARAÍSO

Transito entre pessoas da minha classe e da classe média. Reconheço de longe a simplicidade de um trabalhador, que ao amanhecer, com mochila nas costas, caminha ao ponto do ônibus e fala com seu coleg

Paleta Poética*

poesia é imagem emoldurada pintada na tela da razão com as brilhantes cores da paleta da vida em nuances vivas de emoção pintura diáfana do que os olhos não veem registro relutante do tempo que não pa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.