A CIÊNCIA E A CULTURA RESISTEM AO NEGACIONISMO, À CENSURA E AO RETROCESSO

Hoje, 06 de novembro, é o Dia da Ciência e da Cultura.

Seria motivo de comemoração se o Brasil não estivesse sob a regência de um agente inimigo dessas duas referências da humanidade. Não são poucos os golpes contra a ciência, cujo ministério nesta gestão teve uma queda de 31,69% no seu orçamento. Um corte de quase 4 bilhões dos 11, 8 bilhões de reais previstos para este ano.

Há uma operação de desmonte do Sistema de Ciência e Tecnologia do país. Os cortes incidiram sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, gerido pelo Finep - financiadora de estudos e projetos, que aplica recursos em pesquisa e inovação de universidades e empresas.

Na cultura, basta dizer que o Brasil hoje é o único país da América Latina a não ter um ministério da área. Soma-se a este descalabro a censura às manifestações artísticas e a agressão a artistas, intelectuais e grupos étnicos.

O governo Bolsonaro é uma antítese dos valores e das conquistas da humanidade. Estimula o seguimento do negacionismo e da violência, fazendo aumentar a ignorância e o retrocesso civilizatório.

Mas há resistência.

Cientistas e intelectuais da cultura vêm se mobilizando contra as ações nefastas do governo e dos seus lacaios. O mundo já tem conhecimento do buraco tenebroso que a direita retrógrada está metendo o Brasil. Vozes dissonantes da destruição dos sistemas de ciencia e cultura ecoam por muitos países, protestando contra a bandeira do atraso que tremula no Planalto.

Minhas saudações aos pesquisadores, cientistas, artistas, intelectuais, produtores culturais, que resistem na indelével missão de construir a justiça, o conhecimento e a liberdade como expressão de beleza da humanidade.


Lúcio Carril

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

VIVA A BARBÁRIE

Bernardo Carvalho, FSP- 14-06-2021 Numa entrevista recente ao jornal Libération, em resposta a uma pergunta sobre o confinamento na pandemia, o lendário diretor de teatro inglês Peter Brook, 95, relem

NINA (2006-2021) E A UTOPIA DE BALEIA

José Alcimar de Oliveira* Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam co