A CIÊNCIA DA GENTE: POR UMA NOVA EPISTEMOLOGIA

É no primeiro contato com o método positivista que nos é dito que sujeito e objeto devem manter distância, a fim de não comprometer o resultado do estudo e da ação com a preponderância da subjetividade.

O problema dessa epistemologia da ordem é que ela coisifica tudo, inclusive o ser humano, ao transformar um em sujeito e outro em objeto. Isto teve dura repercussão nas relações sociais e na vida das pessoas. Mais, ainda: deu um nó epistemológico nas ciências humanas e sociais, onde a relação é sujeito-sujeito.

Nas relações humanas o outro deixou de ser sujeito também, sob o olhar de qualquer outro sujeito. Ele, o outro, existe apenas como objeto do meu olhar e das minhas projeções.

Nas relações sociais, raças, grupos tribais e étnicos, estratos sociais oprimidos padecem das formas mais cruéis do não reconhecimento da diversidade e do pluralismo. E sob o olhar e a força do sujeito opressor se transformam em objeto da opressão.

Nas ciências humanas e sociais o estrago da epistemologia positivista veio a comprometer a busca de um outro método que validasse a relação sujeito-sujeito como ciência. O debate existe e continua, mas se mostra improdutivo diante do domínio do positivismo e a cômoda capitulação dos pesquisadores e cientistas dessa área.

Ora, diante da impossibilidade de se criar um método humanista o correto seria romper com o método da ordem e se fazer necessária na humanidade. A razão é simples: as ciências humanas e sociais são ciências da gente e não ciências das coisas.

A razão instrumental que faz do método imprescindível não pode se reproduzir nas ciências cujos estudos envolvem pessoas, gente, seres humanos. Se não tiver método, que se exploda o método imposto e se crie uma epistemologia da humanidade.

O positivismo foi tentado na medicina e na enfermagem e mesmo com a insistência de alguns profissionais não se tornou uma relação sujeito-objeto. Médicos e enfermeiros desmoronam diante de uma pandemia, ao ver seus semelhantes morrendo em suas mãos. Esses profissionais da ciência, no exercício da sua profissão, se envolvem emocionalmente com seus pacientes e sofrem com o sofrimento do outro, pois suas relações são de gente e não de coisas.

O mesmo acontece com outras ciências da área humana e social. Não é possível ignorar as subjetividades quando as relações envolvem seres humanos. Ela, a subjetividade, deve ser parte da construção epistemológica. O sentir pode e deve ser mais do que um verbo. Tem que compor uma nova forma de se fazer ciência.


Lúcio Carril

Sociólogo

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Visitante contumaz desta nau envia-me paródia oportuna e interessante, com o pedido de postá-la. Refere-se à música Helena, Helena, de Constantino Silva e Antônio Almeida, gravada em 07/11/40, nos est

Minhas frustrações não me fizeram amargo, tampouco me colocaram em sofrimento com a vida. Gerou, sim, uma enorme angústia que serve de um equilíbrio freudiano, capaz de conter os impulsos do ID e frea