top of page

A Amazônia Violenta

A Amazônia é uma das expressões mais usadas no Planeta. Dela se tem dito tudo, talvez tantas vezes quantas as que contam sua história de invasão e exploração predatória. Mesmo os que fingiam ignorância quanto à riqueza natural que a região encerra não têm como negar, mais negacionistas o sejam: a diversidade natural da maior floresta tropical do Mundo não apenas anuncia a probabilidade de servir melhor à humanidade, se tratada sem o desrespeito e sem a usura e a voracidade que contra ela mobilizam os agressores. O clima da Terra, confere-se hoje, depende muito da forma como esse imenso território for tocado. A agressividade usada contra os bens naturais, no entanto, não para por aí. Os povos que a habitam, nos centros mais afastados ou nos beiradões da imensa rede fluvial e que tanto têm sabido manejá-la durante séculos, são vítimas também dos agressores. Por isso, ganha realce e se reveste de toda oportunidade a iniciativa da parceria UFAM, Pulitzer Center e o coletivo Ilhargas, a ter lugar dia 19 próximo. Para tanto, três mesas temáticas abordarão a violência na região, quando problemas da tríplice fronteira (Brasil, Peru e Colômbia), da fronteira Brasil/Venezuela e do vale do rio Tapajós serão objeto da análise e de discussão. Estudiosos da Amazônia em seu aspecto macro, contribuirão para tornar mais conhecida a realidade amazônica, com o que certamente se multiplicarão os defensores sobretudo dos que a habitam, e aos quais sucessivos governos têm oferecido tratamento desdenhoso e ofensivo. Em outra página deste blog (NA ONDA) são dadas mais informações sobre o evento, que das 09:00 às 18:00 da próxima terça-feira entreterá os interessados. As inscrições poderão ser feitas até o dia 17, pelo link informado na página acima indicada. As sessões poderão ser assistidas presencialmente ou pela internet.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Justiça de Salomão

Antes, o mago de Maringá provou do veneno saído dos porões por ele frequentado. E dirigido. Depois, tentou ganhar posição que reduzisse a quase zero a probabilidade de fugir às suas responsabilidades.

Espetáculo moleque

Antes, chamavam-se de molecagem condutas como a de Joe Biden. Tentando posar de pacifista, empresta apoio político e fornece armas para Israel. A rigor, nada que possa surpreender os que acompanham a

O Brasil e a guerra

Terminada a II Grande Guerra, talvez nunca estivemos tão próximo de um novo conflito bélico global, quanto hoje. Mesmo a crise gerada pela instalação de foguetes da União Soviética em Cuba (1962) não

Σχόλια


bottom of page