A alegria da morte

Engana-se quem pensa que a morte só é festejada pelos herdeiros necessários e presumíveis do homem de bens. A alegria da morte também alimenta outros apetites, inclusive a permanência no poder. Desde o assassinato de César, a História recheou-se de episódios reveladores do monstro que cada um traz dentro de si. Se é que Caim, bem antes, não reivindicava o poder. A reação à interrupção da pesquisa do Instituto Butantan e o regozijo dos que a festejaram diz muito sobre isso...

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Confusão tola

As novas tecnologias da informação que na percepção de Marshall Mac-Luhan transformaram o mundo em uma aldeia global, nem sempre têm sido vistas com a seriedade necessária. Talvez aí esteja uma das ra

Policialesco

Quem ainda tenha dúvida sobre a transformação do Estado democrático de Direito em um Estado policial, leia com atenção noticiário sobre as irregularidades atribuídas ao ex-reitor da UFSC, professor Lu

Justa reverência

Denominar o prédio em que se instalou a Faculdade de Artes da UFAM de Maestro Nivaldo Santiago era o mínimo que o velho professor merecia. Fez-se justiça a ele, cujos serviços profissionais engrandece