1964 INAUGUROU UM DRAMA DE SANGUE E DE INCOMPETÊNCIA NO BRASIL, E ISTO NÃO SE COMEMORA

Bolsonaro quer comemorar a tortura e a desgraça brasileira promovida pelo golpe militar de 1964. Vejamos.

Em 1984, a inflação era de 223%.

A dívida externa saltou de 3,6 bilhões em 1964 para 93 bilhões em 1984.

O analfabetismo entre pessoas de 10 a 14 anos era de 19% em 1983.

A educação e a cultura eram engessadas pela famigerada Lei de Segurança Nacional, levando o ensino a um processo cruel de distanciamento da realidade e as escolas ao sucateamento.

A corrupção aumentou e escândalos como da Coroa/Brastel e da Transamazônica se tornaram conhecidos da população, mesmo com a imprensa censurada.

Não menos escandalosos foram os atentados no Riocentro e na sede da OAB, matando dona Lídia, servidora da Ordem e os militares terroristas.

Em resumo: só uma mente perversa, que odeia o Brasil e a democracia, é capaz de mandar comemorar um período tão dramático para o Brasil.

Aproveito para dizer que nada justifica o apoio ou a defesa da ditadura militar. Nem mesmo os ignorantes de plantão têm esse direito. Negar a tortura e os crimes militares é tão nefasto quanto os atos em si. Ignorância não pode ser sinônimo de perversidade.



Lúcio Carril

Sociólogo

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

uma cerejeira e uma saudade*

em julho, quando o mês finda há uma data charmosa que já foi linda e segue teimosa há também uma cerejeira que floresce certeira que a saudade desvanece elas chegam sempre no espaço da espera no vazio

VIVA A BARBÁRIE

Bernardo Carvalho, FSP- 14-06-2021 Numa entrevista recente ao jornal Libération, em resposta a uma pergunta sobre o confinamento na pandemia, o lendário diretor de teatro inglês Peter Brook, 95, relem